Mãe Preta

1993

Escolha a música e ouça o sucesso!


Ficha Técnica do Disco: 

Título: Mãe Preta
Ano: 1993
Produtor Fonográfico: Warner Music do Brasil Ltda. — Divisão Continental
Gerência Artística: Mauro Almeida
Produção, Criação, Produção Executiva e Repertório: André Simões
Direção Musical e Repertório: Jailton Dantas
Técnicos de Gravação: Elcio Alvarez Filho, Carlos Villaça, Pepeu, Dalton L. Vicente e Aru
Assistentes de Estúdio: Josiel Rufino, Marcel Jardim e Leonel Massaro
Mixagem: Elcio Alvarez Filho
Masterização Digital: Silvio Luís Richetto (Nosso Estúdio)
Foto: Aky Morechita
Arte da Capa: Antonio Alberto C. Affonso
Capa: Oscar Paolillo
Arranjos: Banda Mel
Arranjo de Metais: Gil e Fernando Padre
Gravado e Mixado no Estúdio Gravodisc (São Paulo)

durante a Primavera de 1993.

Bamdamel é:

Teclado: Fernando Padre
Guitarra: Guto Guitar
Baixo: Jailton Dantas
Percussão: Dito Régis e Orlando Costa
Vocais: Joka Barreto, Patrícia Alvaia e Alobened Airam
Músicos Convidados:
Back Vocais: Ânfela, Tânia Lemke, Cidinha e Ringo
Trompete: Françoise
Sax Alto: Proveta
Sax Tenor: Cacá Nalaquias
Sax Barítono: Ubaldo Versalato
Trombone: Feançoise
Acordeom: Oswaldinho
Participação Especial: Bateria do Ilêa Aiyë

Supervisão Geral: ALBERTO ALCANTARA DA SILVA

Palafitas

FAIXA 1

Autor: David Sales (Ed. Phonogran)

Intérprete: Joka Barreto




Ô õ õ õ, o povo quer ser,

 â â â, feliz!

Pra morrer basta ta vivo,

Pra viver morrendo aos poucos

De baixo do céu de anil,

Em cima de mil esgotos.

Alagados não morre afogado, não!

Sem saúde, sem dinheiro,

Sem dente, sem teto, sem chão,

Só tens a preocupação,

Com a carne, com leite, com pão.

Sua casa não tem lareira,

Sua casa não tem fogão

Pra secar sua tristeza

E aquecer seu coração.

Olha lá, os meninos nadando ali

Pensando que aquilo é mar

Tentando se divertir.

E eles não dão solução.

Chega de tanta conversa

Que o povo quer ser feliz.

Vamos logo, temos pressa de arrumar esse país.

Ô ô ô ô povo quer ser,

Á â â â , feliz!

Palafitas,

Segura essa onda

Se não a casa cai, ai, ai, ai, ai, ai,


Mas finge que não vê.

A fome comendo tudoTem gente que tá no poder


Senzala do Barro Preto

FAIXA 2

Autor: Tonho Matéria (Ed. Peermusic do Brasil)

Intérprete: Alobened Airam




É na senzala do barro preto,

Que busca um sentimento

Os deuses vivem a escutar

A lua clareia o céu,

O sol aquece o ar,

E quem vive de sonho

O vento sopra o mar.

Ê nanã, ô, ô, ô, ô

Ê nanã,

Ê nanã, ô, ô, ô, ô

Ê nanã,

A mãe da chuva,

A mãe preta do meu pensamento,

Pujança e esperança da força

Que ergue o meu cantar.

Me levando,

Em direção ao templo

Singela, beleza e riqueza

Do Orun do Gantois.

É por amor,

É por amor ô ô,

Que eu vou pra lá.

É por amor,

É por amor ô ô,

A, a, a, a Bis


É na senzala do barro preto,

Que busca um sentimento

Os deuses vivem a escutar

A lua clareia o céu,

O sol aquece o ar,

E quem vive de sonho

O vento sopra o mar.

A mãe da chuva,

A mãe preta do meu pensamento,

Pujança e esperança da força

Que ergue o meu cantar.

Me levando,

Em direção ao templo

Singela, beleza e riqueza

Do Orun do Gantois.

É por amor,

É por amor ô ô,

Que eu vou pra lá.

É por amor,

É por amor ô ô,

A, a, a , a

Okerê, aqui não tenho pressa,

Okerê, é o mundo que me leva,

Okerê, clamo pela Deusa do Ébano.

Ê nanã,

Ê nanã, ô, ô, ô, ô

Ê nanã,Ê nanã, ô, ô, ô, ô


Na Bahia Tudo É Festa

FAIXA 3

Autores: Cay e Lu (Ed Tapajós)

Intérprete: Joka Barreto




Eu vou pro Pelô

Vou balançar

Eu não vou ficar

Parado aqui

Vou pro Pelô

Vou balançar.

No gingado da dança,

Seu cabelo de trança, amor!

Eu vou pro Pelô,

Vou balançar.

Na Bahia tudo é festa,

É lavagem, é procissão,

Levada do pelourinho,

A benção, o maior astral!

Salvador é alegria,

Salvador é carnaval!

Ô ô ô, levada do Pelô,

Ô ô ô, Bahia, Salvador.


Lá no fundo eu vou descer

E encontrar,

Um paraíso pra gente viver.Vou mergulhar

Luminosidade

FAIXA 4

Autores: Saul Barbosa e Jaime Sodré (Ed. Direto)

Intérprete: Patricia Alyaia




Lá vem ele,

Sempre ele,

Elegante, rei, senhor!

Lá vem ele,

Sempre ele.

O verão de Salvador!

Ciranda de luzes,

Cem mil vagalumes

Acordam o velho sol,

Rainha da praia.

Rapaz bronzeado, surfistas.

Salve, Salve!

O rei coroado

Do reino da luz

Que gera a vida!


Começa jornada, cerveja e suor!De pele dourada

Meu Gostoso

FAIXA 5

Autor: Jorge Zárath (Ed. BMG Arabella)

Intérprete: Alobened Airam




Eu tava à toa pela vida

E te encontrei amor.

Estava escrito nas estrelas

Meu mundo mudaria a cor.

Eu tava assim meio perdida

E o meu Jardim sem flor,

Foi se vestindo de poesia,

Foi transformando em alegria.

Tudo que era dor.

Quando você chegou meu neguinho,

Tudo azulou no céu da paixão,

Quando você pintou no caminho,

Foi puro mel, amor.

Meu verão!


Chega pra cá,

Pra se dar bem,

Vem cá neném!

Me mata de gozo, ô, ô, ô.

E chega pra cá,

Pra se dar bem.

Vem cá neném.

Me mata de gozo, ô, ô, ô.

Chega pra cá,

Pra se dar bem,

Vem cá neném!

Me faz assim,

Dona de mim,

Meu gostoso!


Pra se dar bem.

Vem cá neném.

Me faz assim,

Dona de mim,

Meu gostoso!

E chega pra cá

Íris do Mundo Ilê

FAIXA 6

Autores: Beto Jamaica e Ademário (Ed. BMG Arabella)

Intérprete: Patricia Alvaia




Na íris o mundo Ylê,

Dá pra encontrar felicidade,

Exprime um canto de verdade

Que a mãe natureza consagrou.

É como a evolução

De uma gente assim que se desperta,

E o Ilê Aiyê de braços abertos

Acolhe esse povo com amor,

Toda raça negrô,

É um orgulho, é paixão que é permanente,

É raiz de um subconsciente,

Nobreza por ser fundamental,

Ilê Aiyê revela,

Toda garra do mundo africano,

Liberte no seu cotidiano

Reflete esse brilho colossal!

Amor de natureza.

Valeu, valeu, valeu ILÊ.

Cantar pura beleza,

Valeu, valeu ILÊ,

Cantar pura beleza,

Valeu, valeu ILÊ AIYÊ,

Expressa tua pureza,

Valeu, valeu ILÊ AIYÊ,

E carrega, uô, ô

Nossos corações

Amor de natureza.

Valeu, valeu, valeu, ILÊ.

Cantar pura beleza,

Valeu, valeu ILÊ,

Cantar pura beleza,

Valeu, valeu ILÊ AIYÊ,

Expressa tua pureza,

Valeu, valeu ILÊ AIYÊ,

É bom te encontrar.

Lá no ILÊ,

Pra se amar.

Eu e você,

Preto ou pretinha,

Ylê Aiyê que carrega multidão.

Amor de natureza.

Valeu, valeu, valeu, ILÊ.

Cantar pura beleza,

Valeu, valeu, ILÊ ,

Cantar pura beleza,

Valeu, valeu, ILÊ AIYÊ,

Expressa tua pureza,

Valeu, valeu, ILÊ AIYÊ,

E carrega, uô, ô

Nossos corações, eu vou

Vou subindo a ladeira com amor

E carrega, uô, ô

Nossos corações

É bom te encontrar.

Lá no ILÊ,

Pra se amar.

Eu e você,

Preto ou pretinha,

Ylê Aiyê que carrega multidão.


Nossos corações, eu vou

Vou subindo a ladeira com amor

E carrega, uô, ô

Nossos coraçõesE carrega, uô, ô

A Flor do Olodum

FAIXA 7

Autores: Adailton Poesia e Valter Farias (Ed. Warner / Chappell)

Intérprete: Patrícia Alvaia




Ê a, ê a, u ê a

Ê a, ê a, ê a

Senti nos lábios

O teu beijo ardente,

Sim, sim, meu bem,

E a quentura

Do teu corpo quente,

Sim, sim, eu sei,

O teu sorriso

É tão envolvente,

Parei em você tão de repente.

Me alimento deste teu amor,

Sim, sim, meu bem,

E me aqueço neste teu calor,

Não sei, por que,

Tu és a flor que desabrochou,

Sem medo, receio. Sem pudor.

Chá, lá lá lá lá lá lá lá lá.

Amor de lá, amor de cá,

Cha, lá lá lá lá lá lá lá lá.

Amor pra dar, amor pra dar.

Cha, lá lá lá lá lá lá lá lá.

Amor quero ouvir você falar. Bis


Amor de lá, amor de cá,

Cha, lá lá lá lá lá lá lá lá.

Amor pra dar, amor pra dar.

Cha, lá lá lá lá lá lá lá lá.

Amor quero ouvir você falar. Bis


E no balanço desta banda reggae,

Sim, sim, meu bem,

Hipnotizado todo mundo segue,

Sim, sim, gostei,

Se você diz que ama o OLODUM,

Meu bem temos algo em comum!Chá, lá lá lá lá lá lá lá lá

Diga Que Eu Vou

FAIXA 8

Autores: Ytthamar Tropicália, Tutuca Crença e Fé, Itamar Santos, Antonio José e Alberto Pita (Ed. Tapajós / Warner-Chapell)

Intérprete: Alobened Airam




Diga que eu vou,

Diga que eu vou, diga.

Diga que eu vou,

Pro Ilê Aiyê

Esse negro balança, ê, ê, ê,ê

Com cabelos de trança, â, â, â.

Diga que eu vou,

Diga que eu vou, diga.

Diga que eu vou,

Pro Ilê Aiyê

Subindo o curuzu, ê, ê, ê,

20 anos de Ilê, â, â, â.

Diga que eu vou,

Diga que eu vou, diga.

Diga que eu vou,

Pro Ilê Aiyê

Bahia, terra da magia,

Lenda dos orixás,

Estado de candomblé,

Na Conceição da praia,

8 de dezembro,

Ilê Ayiê vai se apresentar,

Cantando com essa filosofia

Que faz parte da magia

De Angola e ljexá lá, iá, lá, ia

Diga que eu vou,

Diga que eu vou, diga.

Diga que eu vou,

Pro Ilê Aiyê


Festa do Rio Vermelho

Com a minha mãe, Yemanjá, lá, iá, lá, ia

No dia, 2 de fevereiro

Mãe Preta

FAIXA 9

Autores: Luiz Paiva, Luis Alves, Moraes Moreira, Capinan e Béu Machado (Ed. BMG Arabella / Warner-Chappell / direto / Tapajós)

Intérpretes: Joka Barreto, Patrícia Alvaia e Alobened Airam




Muito sol no juízo

E na beira do mar,

Água de côco,

E o swing de quem canta

E sabe falar,

Língua de preto

Jogou duro no samba de roda

E dançou,

Coisa de louco!

E o polícia chegou

E tentou bagunçar,

Nosso coreto.

Lá na Praça Caymmi.

Se vestiu de baiana,

Leu a mão da cigana

E jogou o hifa.

Oh minha mãe,

Quem não chora não mama,

Oh minha mãe.

Quem não mama espia,

Oh minha mãe,

Generoso é a teta,

Da nossa mãe preta a Bahia.


E olha o bicho que deu,

Nesse jogo eu aposto,

Nesse sonho que é só meu!

Me engana que eu gosto

Não Vá

FAIXA 10

Autores: Rey Zulu e Emmanoel Kante (Ed. Sony Music / Phonogram)

Intérprete: Joka Barreto




Não vá, não vá, embora

Oh baby, não vá, não vá.

Não vá. não vá

Fique comigo

Que eu quero é te amar.


Vem comigo ao curuzu,

Ô, ô, ô ô,

Respirar nossa cultura.

Vamos lá ver o Ilê Aiyê.

Ê, ê, ê, ê

Swingar. beleza pura.

Vamos lá ver nossa arte

Que parte para todos os cantos do mundo.

Ô, õ, õ õ, ô,ô.ô,ô não sei viver sem teu amor,

Ô, õ, õ, õ ô, ôô, ou você é tudo para mim


Não vá, não vá, embora

Oh baby, não vá, não vá.

Não vá. Não vá

Fique comigo

Que eu quero é te amar.

Ô, õ, õ õ, ô, ô.ô, ô não sei viver sem teu amor,

Ô, õ, õ, õ ô, ôô, ôô você é tudo para mim


Ô, ô

A vida sem ti, pode crer,

È um tédio profundo,

Vem comigo meu amor

A Massa

FAIXA 11

Autores: Jorge Portugal e Raimundo Sodré (Ed Warner-Chappell)

Intérprete: Alobened Airam




A dor da gente

É dor de menino acanhado,

Menino bezerro, pisado,

No curral do mundo a penar.

Que salta aos olhos,

Igual a um gemido calado,

A sombra do mal assombrado

E a dor de não poder chorar.

A dor da gente

É dor de menino acanhado,

Menino bezerro, pisado,

No curral do mundo a penar.

Que salta aos olhos,

Igual a um gemido calado,

A sombra do mal assombrado

E a dor de não poder chorar.

Moinha de homens

Que nem jerimuns amassados,

Mansos, meninos, domados,

Massa de medos iguais.

Amassando a massa,

A mão que amassa a comida,

Esculpi, modela e castiga,

A massa dos homens normais.

Quando eu lembro da massa

Da mandioca, mãe da massa,

Quando eu lembro da massa

Da mandioca, mãe da massa Bis


A dor da gente

É dor de menino acanhado,

Menino bezerro, pisado,

No curral do mundo a penar.

Que salta aos olhos,

Igual a um gemido calado,

A sombra do mal assombrado

E a dor de não poder chorar.

Moinha de homens

Que nem jerimuns amassados,

Mansos, meninos, domados,

Massa de medos iguais.

Amassando a massa,

A mão que amassa a comida,

Esculpi, modela e castiga,

A massa dos homens normais.

Quando eu lembro da massa

Da mandioca, mãe da massa Bis


A massa quer cantar da massa

A massa quer dançar da massa

Nunca mais mim fizeram aquela presença mãe da massa

Da massa que toca mandioca mãe da massa

A massa comia e passa fome mãe da massa

A massa que toca mandioca mãe da massa

Lelé, meu amor, lelé

Lelé, meu amor, lelé

No cabo da minha enxada,

Não conheço coroné

No cabo da minha enxada,

Não conheço coroné

Eu quero, mas não quero, camará

Mulé minha na função, camará

Vai ta livre de um abraço, camará

Mas não ta de um beliscão

Torna a repetir meu amor, ai, ai, ai

Torna a repetir meu amor, ai, ai, ai

É que o guarda civil não quer

A roupa no quarador, Bis

Meu Deus onde vai,

Parar essa massa,

Meu Deus onde vai,

Parar essa massa,

Desejo

FAIXA 12

Autores: Rominton Teles Santos (Ed Peermusic do Brasil)

Intérprete: Alobened Airam




Quando lhe vejo

É que sempre me lembro do passado.

Pois meu desejo

Foi sempre viver bem do seu lado.

Se me recordo

Da felicidade que sonhei,

Eu admito em que todo o momento

Fui eu que errei.

Quando lhe vejo

É que sempre me lembro do passado.

Pois meu desejo

Foi sempre viver bem do seu lado.

Se me recordo

Da felicidade que sonhei,

Eu admito em que todo o momento

Fui eu que errei.

Você é luz e paz

Enfeitando meu caminho,

Não posso resistir

Ao seu gostoso carinho.

Me dá, me dá, me dá,

Tudo isso de você,

Me faz, me faz, me foz

A mulher que eu quero ser. Bis


Sempre, sempre apaixonada,

Pra sempre desse amor

Me sentir embreagada.

Eu quero sempre estar

Protesto do Oldodun (E Lá Vou Eu)

FAIXA 13

Autor: Tatau (Ed Soni Music)

Intérprete: Joka Barreto




Força e pudor, Liberdade ao povo do Pelô

Mãe que é mãe no parto sente dor, e lá vou eu, oh!

Força e pudor, Liberdade ao povo do Pelô

Mãe que é mãe no parto sente dor, E lá vou eu

Declara a nação, Pelourinho contra a prostituição

Faz protesto, manifestação, E lá vou eu

Aids se expandiu, e o terror já domina o Brasil

Faz denúncia Olodum Pelourinho, E lá vou eu

Brasil liderança, força e elite na poluição

Em destaque o terror, Cubatão, e lá vou eu, ôh!

Iôiôiô, lálálálá

Iôiôiô, lálálálá

Iôiôiô, lálálálá

Iôiôiô, lálálálá

E lá vou eu

Lá e cá Nordestópia, Na Bahia existe Etiópia

Pró nordeste o país vira as costas, e lá vou eu

Mas somos capazes, o nosso Deus a verdade nos trás

Monumento da força e da paz, e lá vou eu, oh

Iôiôiô, lálálálá

Iôiôiô, lálálálá

Iôiôiô, lálálálá

Iôiôiô, lálálálá

E lá vou eu

Atenção!!! Banda Mel vamos saldar a Bahia E conservar o Pelourinho

Desmond Tutu, contra a Apartheid na África do Sul,

Vem saudando ao Nelson Mandela, o Olodum, ô ô ô

Iôiôiô, lálálálá

Iôiôiô, lálálálá

Iôiôiô, lálálálá

Iôiôiô, lálálálá

E lá vou eu, Brasil, a Bahia, a Paz, Banda Mel


Sem ter pão nem água pra beber,

E lá vou eu Moçambique hei,

Por minuto homem vai morrer

Capitães de Aveia versus Meninos de Rua

FAIXA 14

Autores: Adailton Poesia e Valter Farias — Música Incidental na Baixa dos Sapateiros (Ary Barroso) (Ed Warner-Chappell Vitalle)

Intérprete: Joka Barreto




Ei, doutor! O senhor me ensina o ler!

Ei, doutor! Eu lhe ensino a jogar capoeira,

Tocar berimbau e agogô.

Neste mundo tão ingrato,

Esta é a verdade nua e crua,

Hoje, agora, aqui e ali,

Me chamam menino de rua

Nos tempos passados

Que eu jogava capoeira,

Os mais velhos assim chamavam:

Este menino é um capitão de areia!

Ei, doutor! O senhor me ensina o ler!

Ei, doutor! Eu lhe ensino a jogar capoeira,

Tocar berimbau e agogô.

A alta sociedade,

Que não liga para a gente,

Quando um de nós tomba morto.

Nos enterra como indigente.

Ei, doutor! O senhor me ensina o ler!

Ei, doutor! Eu lhe ensino a jogar capoeira,

Tocar berimbau e agogô.

É, pivete, é trombadinha,

É um menino de rua,

É criança abandonada,

É um menino de rua,

De uma coisa eu tenho certeza,

Um nome eu tenho que ter,

Mas se eu não sei o meu nome.

É porque não aprendi o ler.

Ei, doutor! O senhor me ensina o ler!

Ei, doutor! Eu lhe ensino a jogar capoeira,

Tocar berimbau e agogô.


Não tenho casa pra morar,

Moro aqui. ali e acolá.

A marquise da avenida é o nosso lar.

Eu, menino de rua

Maluco Beleza

FAIXA 15

Autor: Raul Seixas e Cláudio Roberto (Ed )

Intérprete: Patrícia Alvaia




Enquanto você se esforça pra ser,

Um sujeito normal

Em fazer tudo igual.

Eu do meu lado

Aprendendo a ser louco,

Maluco total,

Na loucura real.

Controlando a minha maluquez.

Misturada com minha lucidez.

Eu vou ficar,

Ficar com certeza, maluco beleza

Eu vou ficar,

Se de vez é bom

Ficar com certeza, maluco beleza

Quando você se esforça para ser um sujeito normal

E fazer tudo igual, eu do meu lado aprendendo a ser louco

Um maluco total, na louca real

Eu vou ficar,

Se de vez é bom

Ficar com certeza, maluco beleza

E esse caminho que eu mesmo escolhi

É tão fácil seguir

Por não ter aonde ir.

Controlando a minha maluquez,

Misturada com a minha lucidez.

Eu vou ficar,

Ficar com certeza, maluco beleza


Misturada com a minha lucidez.

Eu vou ficar,

Ficar com certeza, maluco beleza!

Controlando a minha maluquez